Arquivos do Blog

KURO OBI – O FILME – Rádio Karate

Sua rádio semanal ao vivo .
Aos karateka cinéfilos, amantes da sétima arte, esse podcast é para você.  Pinto san e JP Moraes  do Podcast Retrogeek, iremos falar sobre o filme Kuro Obi ( O Faixa preta ), analizar essa película, sua mensagem, a filosofia do budo mostrada nesse excelente filme feito por karateka para karateka, assim como nossa Rádio Karate.
Ossu!
NOSSOS PATROCINADORES –
DOJO WEB, A ferramenta que faltava para administrar a sua academia e dojo. Acesse e ganhe 15 dias GRÁTIS! http://www.dojoweb.com.br

2º SEMINÁRIO TÉCNICO ISKF – ES
Com a presença de Edson Nakama sensei, Hélio Arakaki sensei e palestra de Guaraci Tanaka sensei.
INFORMAÇÕES : adreyxavier@hotmail – WhatsApp 27-8194-5679
NOSSO SITE – www .pintokaratedojo.com

ANUNCIE CONOSCO – Tiago Frosi ( Facebook)

GRUPO NO WHATSAPP – https://goo.gl/19gvs6

NOSSO SITE – http://www.pintokaratedojo.com

E O GANHADOR É…….

Três números foram sorteados. Caso o primeiro ganhador não entre em contato , seguiremos a lista de sorteados .

Sorteio do blog pinto karate dojo  de fim de ano

CLIQUE NA FOTO PARA AMPLIAR

A lista de todos que participaram pelo facebook, comentários do blog e Twitter.

Sorteio do blog pinto karate dojo  de fim de ano

Lista de participantes

Obrigado à todos vocês que ajudaram na divulgação do blog . Os agradecimentos , comentários e participação de vocês são o que pagam o “salário” da equipe do Pinto Karate Dojo! Oss!

FELIZ ANO NOVO!

Curta no facebook ou divulgue no twitter clicando aqui em baixo por favor!

NOSSOS COLUNISTAS!

Como prometi, o blog irá trazer bem mais materiais para vocês,só que pelo fator tempo, precisarei da ajuda de colaboradores. E inaugurando nossa nova área, temos Tiago Frosi sensei, que apartir de hoje será um de nossos colunistas, xpondo suas opiniões e somando ainda mais para o nosso espaço.

Fiquem ligados no nosso novo espaço que poderá ser acessado no menu  COLUNISTAS. Oss!

_____________________________________________________________________________________________

 

Ser Samurai hoje!


Porto Alegre, 19 de fevereiro de 2011

 

Nosso primeiro colunista

Tiago Frosi sensei

Venho ouvindo pessoas de várias artes marciais japonesas falando uma mesma frase em discursos emocionados sobre o “espírito do budô japonês”: Somos Samurais!!! E olha, isso não é exclusividade do Karate; pessoas do Judô, do Jiu-jitsu e claro, do Kendo, já falaram esse tipo de coisa na minha frente. Também já ouvi o contrário, certos praticantes de artes marciais indignados reclamando o oposto: “que papo é esse de samurai coisa nenhuma!”. Justo.

Resolvi escrever hoje, nesta primeira postagem para a coluna do Pinto Karate Dojo, sobre este tema: o que é ser Samurai hoje? É possível? Vamos ver…

Historicamente, o que é um Samurai? Bom, vou dar minha própria opinião, mas gostaria de sugerir alguns livros para os interessados que ajudaram a formular meu argumento: 1º Hagakure: o livro do samurai de Yamamoto Tsunetomo. Este é fundamental para entender o pensamento dos guerreiros do Japão no período Tokugawa, é imperdível. 2º Segredos dos Samurais: as artes marciais do Japão Feudal, de Oscar Ratti e Adele Westbrook, professores de História em universidades dos Estados Unidos e praticantes de Aikido, talvez o mais completo com informações que saciam qualquer mente ocidental. 3º O Crisântemo e a Espada, da famosíssima antropóloga Ruth Benedict, que estudou todo o modo de vida japonês durante o período da Segunda Guerra Mundial para dar subsídios aos americanos na luta contra o país do sol nascente. E, também, em 4º Energia Mental e Física de Jigoro Kano, o fundador do Judô, que fala em alguns momentos sobre como a cultura tradicional do samurai foi exportada para o Judô (e para o “budô moderno”), e assim nos ajudando a entender como tudo isso chegou para nós nos dias de hoje.

Quero, antes de tudo, sugerir que dissipemos uma confusão muito importante: há uma diferença entre Bushi e Samurai. Bushi era a denominação para guerreiro, alguém que pertencia à casta chamada Buke no Japão Feudal, e além desta casta haviam outras, que eram os aristocratas e a realeza (Kuge), os camponeses (Heimin), além dos artesãos e comerciantes (Shokunin), do clero e dos párias. Os Bushi (guerreiros) eram a casta que detinha o poder no período feudal, eles eram essas figuras que estamos acostumados a ver com armaduras, espadas japonesas e lanças sobre cavalos nos filmes, seriados, fotos, etc. Mas se isso é um Bushi, o que é um Samurai?

Samurai é uma palavra japonesa que significa “aquele que serve”. Tem origem noutra palavra do nihongo (idioma japonês) arcaico: hirazamourai. Os Bushi do período feudal tinham seus deveres e direitos, todos os japoneses viviam numa sociedade muito restritiva, cheia de regras, onde cada um estava “no seu devido lugar”, e o lugar dos Bushi era superior ao das outras castas em termos de poder e hierarquia (pois os camponeses, artesãos e párias lhes deviam respeito, estavam abaixo na hierarquia; e os aristocratas estavam confinados em Kyoto exercendo um poder figurativo). Porém, esta disciplina extremamente rígida e incompreensível para nós ocidentais gerava certos efeitos no pensamento e no comportamento daquelas pessoas. Havia um impulso por obediência e lealdade para com o generalíssimo, o Shogum, e para com os senhores feudais, os Daimyo. Podemos dizer que havia um sentimento de sacrifício a muitos desejos e possibilidades de se ser outras coisas além de ser guerreiro, mas o guerreiro era essencial para que a sociedade fosse segura e previsível, para que todos na sociedade se sentissem seguros, com as rédeas do destino nas mãos. Esse era o grande ideal da sociedade japonesa, ter o controle sobre o que acontecia, garantindo o futuro. Para isso, o Bushi se transformou em alguém a serviço, não apenas do seu senhor ou do generalíssimo, mas também do ideal de vida japonês, de um futuro seguro e previsível e da ideia de uma hierarquia onde cada um tinha “o seu devido lugar”. O Bushi, interiormente se tornou um Samurai.

Por fim, a partir de 1868 aconteceu a restauração Meiji e o país se transformou. O Japão adotou inúmeras instituições baseadas em modelos ocidentais e, entre outras coisas, as castas foram dissolvidas e o poder passou do Shogum de volta para o Imperador (sob forte influência dos mercadores e guerreiros de classe média que unidos tornaram-se industriais e modelaram a maioria do novo regime). Assim, os Bushi desapareceram, a classe guerreira feudal foi extinta. E o “espírito Samurai”?

Vivemos em uma sociedade diferente, em outro país, com uma cultura totalmente diversa, quase antagônica à japonesa. Mesmo assim vemos muitos praticantes de artes marciais auto proclamarem-se Samurais. Pense no resgate histórico que fizemos: Bushi e Samurai não são a mesma coisa. Com isto, finalizo esta passagem com a seguinte ideia: cuidado! Ninguém pode ser um Bushi hoje em dia, nem mesmo um japonês! Muitas pessoas por aí estão se proclamando “Samurais” e com isso revelando que mantém em suas mentes a ideia de que ao acrescentarem essa palavra a seus “nomes de guerra” estão dizendo que são tão poderosos ou bons lutadores quanto os míticos guerreiros japoneses da antiguidade, famosos por suas habilidades com ou sem armas. Querem ser Musashi ou Oyama, ou pior ainda, querem ser Mike Tyson de quimono. Agora, ser um Samurai de verdade, adotar este espírito como um caminho de vida não me parece inadequado. Pelo contrário, pense: ser uma pessoa que está a serviço, doando seus talentos à sua comunidade, agindo com ética, com disciplina, sabendo ouvir e ser ouvido, é o que nosso mundo precisa, desde que sejamos Samurais que transcendam a imagem antiga. Esqueça a ideia do homem brigão, machão e que tem que provar pra todos que é forte. Violência e rispidez só afastam as outras pessoas e, como vimos, não tem nada a ver com o significado da palavra Samurai. Transcender a ideia antiga é, além de estar a serviço, ser criativo e benevolente, contribuir com a evolução.

Se você quiser ser um Samurai, estar a serviço dos outros através da caridade e da vida correta, vá em frente. Mas não fique falando por aí que você é um samurai se só sabe arrumar confusão com as pessoas na rua, isso é desonroso. E vai que você encontre um Samurai de verdade com um bom Karate na próxima provocação…

 

Osu!!!

Tiago Oviedo Frosi

Shotokan-ryu Karatedo Shodan (CBK/WKF)

Estudante de Mestrado em Ciências do Movimento Humano – UFRGS

 

 

%d blogueiros gostam disto: