Arquivos do Blog

KARATE DAILY VLOG #19 – Homenagem ao mestre Funakoshi

Venha comigo conhecer o refugio do Pai do Karate moderno, o Templo Engakuji, na milenar ( milenar mesmo) cidade de Kamakura. Local onde encontramos o Memorial Gichin Funakoshi.
Uma viagem ao passado do Japão e uma homenagem à um grande homem.

©Entre em contato e anuncie conosco:

contato@pintokaratedojo.com

danielpinto@pintokaratedojo.com

josepedroleal@pintokaratedojo.com

– DOGI KENSHUSEI – Compre aquiO melhor kimono de karate do Brasil!

– PINTO KARATE DOJO NO FACEBOOK – Participe das nossas lives 

GOSTOU? ENTÃO  COMENTA    E CLICA NESSES BOTÕES AI EM BAIXO.

TEMPLO ENGAKUJI – O refúgio de Funakoshi sensei

O refúgio de Funakoshi sensei

O refúgio de Funakoshi sensei

É notório a presença do Zen budismo no karate desenvolvido por Gichin Funakoshi sensei, desde os ensinamentos filosóficos , técnicas contidas dentro dos kata de nosso estilo, o Shotokan, e até mesmo na decisão da escolha de um novo kanji ( ideograma japonês) para o nome Karate e o acréscimo do sufixo Dō¹ ( 道 – どう).
Quem já leu o livro ” Karate-dō, Meu estilo de vida “( Editora Cultrix), percebe a religiosidade de Funakoshi sensei nos relatos da sua vida adulta e durante o seu trabalho em divulgar a técnica de luta de Okinawa.
Um dos sonhos como karateka que eu queria realizar, era visitar o Memorial à Funakoshi sensei – não sei ao certo se seus restos mortais estão enterrados neste memorial – e foi realizando este desejo antigo, desde que comecei a ter a arte das mãos vazias como parte da minha vida, que acabei conhecendo  um pouco da história do Pai do Karate Moderno.
Seu memorial fica no templo  Zuirokuzan Engaku Kōshō Zenji¹ (mais conhecido por Engakuji 円覚寺),na cidade de Kamakura ( 鎌倉市), na Província de Kanagawa, há pouco mais de 50 km de Tokyo. O local é praticamente um complexo de templos, espalhados pelas pequena montanhas, com estradas estreitas mas bem perto do centro da  cidade, o que as vezes causa estranheza, pois em poucos minutos é possível ver a paisagem arborizada, com construções de mais de mil anos, ser trocada por prédios, restaurantes de franquias famosas, e muito trânsito.

O acesso ao templo  não é difícil, e ao lado da entrada existe uma estação de trem (Kita Kamakura ekimae -北鎌倉駅前) que facilita ainda mais o acesso. Uma dica que eu dou é que evite os feriado e fins de semana, e se isso  não for possível, utilize o transporte público.

Patio do salão Hōjō

Pátio do salão Hōjō

O Engakuji foi estabelecido em 1282 para consolar as almas dos saldados japoneses e mongois, que morreram na invasão do Mongólia. O sino e Shariden (galleria das relíquias sagradas de Gautama Buda) são tesouros nacionais.

Entrando no templo, a sensação é de que você acabou de sair de uma máquina do tempo, que te levou para os primórdios do Japão Feudal. O que não é exagero, já que as construções datam do final do século 12, início da era de Shogunato, onde o  Imperador perdia aos poucos seu poder de governante, se tornando um símbolo de ligação com os deuses, e entregando este poder à um líder militar, o Shogun! Mas alguns prédios fazem parte da reconstrução parcial do templo, que sofreu um incêndio na Era Edo.

Foi por volta do século 12 que Kamakura se tornou a capital do País, uma cidade próspera que recebia visitantes de vários lugares, o que enriquecia ainda mais a capital. Isso  explica a exuberância dos prédios e salões construídos com uma maestria  e riqueza de detalhes que ainda impressiona, mesmo depois de alguns destes terem  quase 800 anos!

Uma escadaria leva ao portão principal composto por dois andares, o San Mon (三門), que te faz perder um bom tempo admirando a beleza esculpida em madeira. O imponente portão dá uma prévia do que nos espera neste passeio.

O San Mon está na entrada do pátio de um grande salão onde foi enterrado um dos principais regentes do Japão feudal, o Hōjō Tokimune ( 北条时宗), conhecido por liderar as forças japonesas contra a invasão dos Mongóis, de difundir o Zen Budismo e por extensão o Bushido entre os samurais.

Memorial à funakoshi sensei

Karate ni sente nashi

Ao lado do grande salão, encontramos o memorial à Gichin Funakoshi sensei, modesto mas digno de sua importância. Acredito que Funakoshi ficaria muito satisfeito com a homenagem, devido a sua simplicidade.
Na lápide em mármore, encontramos seu nome e em destaque a frase que define o Karate-Dō – KARATE NI SENTE NASHI (空手に先手なし) –  frase essa muito conhecida por nós karateka e que para mim é um marco na transformação do Jutsu ( 術- lê-se djutsu) pelo Dō (道 – lê-se Dôu).
O lugar onde foi colocado o memorial ao pai do karate moderno, mostra a importância deste homem dentro da sociedade japonesa. Segundo algumas fontes, Funakoshi sensei frequentava o templo Engakuji para meditar e caminhar entre os vários templos menores espalhados pelo local.  Como disse antes, o Engakuji é um templo Zen, construído sob as ordens do regente Tokimune para implantar no Japão, o próprio regente tinha um mestre Zen , o monge  Mugaku Sogen (também conhecido por Bukko Kokishi).  Após a morte de Tokumine,  Sogen relatou  que seu discípulo  tinha sido um bodhisattva ( iluminado), graças aos seus feitos e  estudos no Zen.
É nessa áurea que Gichin Funakoshi² hoje descansa, cercado por hérois de uma sociedade que relutou em  aceitar a arte que o pequeno professor de literatura chinesa de uma escola nas ilhas Ryu Kyu lhes apresentou.
O lugar, apesar da grande quantidade de visitantes, acaba lhe cercando de uma áurea de paz e silêncio. Eu e Dona Pinto estávamos preocupados  com as filmagens e fotos, mas aos poucos isso foi perdendo o “sentido”, e nos entregamos à esta áurea.

O chá tinha gosto de caldo de cana...

O chá tinha gosto de caldo de cana…

Decidimos aproveitar o momento e degustar um chá verde num dos vários locais que existem na área.   Alguns salões promoviam cerimônias Zen com a degustação do chá , além de outras cerimônias, mas pela quantidade de visitantes nas filas, preferimos ir à um templo menor, no pátio do pequeno templo chamado Butsunichian (佛日庵), que guarda algumas obras de arte chinesa, trazida pelos monges chineses que fugiram dos mongóis para o Japão. Pagamos 500 yen ( cerca de 4 dólares) pelo chá e entrada (em alguns templos a entrada é a parte), e ainda recebemos um bastão de incenso para queimar no pequeno altar.  O chá não era dos melhores, mais forte do que os que estamos acostumados, mas o segredo é misturar o amargo da bebida, ao exagerado docinho que vem acompanhando.
No fim da caminhada, depois de uma escada que parecia levar ao céu, encontramos o último sub-templo, o Obaiin (黄梅院).  Sua construção foi um presente ao 15º monge superior do Engakuji, o monge Soseki Muso (lê-se Sossseki Mussô). O pequeno prédio que servia de escola para os jovens alunos/ sacerdotes  do monge Muso.

Sub- templo Obaiin

Didinha no Sub- templo Obaiin

Encontramos outra fila que ocupava o estreito caminho feito por pedras até um pequeno altar no fim da trilha. Didinha Pinto ainda arriscou uma oração depois de uma oferenda ao sub-templo, mas a pequena sansei ³ apenas tentava imitar os demais que visitavam o local para uma breve oração.

 Encerramos esta aventura depois de explorar um pouco mais os outros templos, mas isso iremos mostrar no próximo Karate Kast.
No fim do nosso passeio, ainda conseguimos algumas horas  para visitar o Grande Buda ( Daibutsu), uma estátua de bronze de 12 metros de altura, e com certeza mais uma fantástica atração de Kamakura, que aliás é  uma cidade aparentemente adorável.  Vários japoneses faziam questão de nos cumprimentar, conversar e até ajudar na hora daquela foto em família. Não é algo que nós imigrantes residentes na cidade de Hamamatsu, estamos acostumados.

Loja de afiação de facas e espadas em Kamakura.

Loja de afiação de facas e espadas em Kamakura.

O passeio foi maravilhoso, mesmo depois de ter dirigido praticamente a noite toda para voltar para casa,  realizar um sonho diminui a dor dos sacrifícios .
Uma coisa também interessante em Kamakura, é o comércio local. No caminho, encontramos algumas pequenas lojas de afiadores de facas e espadas, que visivelmente eram heranças de família.

Fiquem ligados no nosso próximo karate Kast, com mais  história sobre nossa viagem. E se você gostou do nosso post de hoje, comente, compartilhe nas redes sociais, pois isso nos ajuda muito.
Ossu!

E para encerrar esta postagem com chave de ouro, nada melhor do que ter nosso jovem praticante aspirante à karateka, prestando sua humilde homenagem à Funakoshi sensei.

_____________________________________________________________________________________________

1 – O acento na letra ō, representa um breve prolongamento na pronúncia, que é feita de forma fechada e finalizando com um breve U (Dôu).   2 – Nosso site não sabe ao certo se os restos mortais de Gichin Funakoshi estão enterrados no local do Memorial, pois foram poucas fontes encontradas sobre esse assunto, e não muito confiáveis.   3- Sansei – netos de japoneses nascidos fora do Japão.

KARATE KAST # 27 – Os bastidores do Mundial JKA – 2º Parte

PARA TUDO!  Dá uma olhada na segunda parte da série Os Bastidores do Mundial JKA 2014.  Você vai gostar com certeza.

NOSSOS APOIADORES

KIMONOS KENSHUSEI — http://loja.kenshuseikarate.com.br/ma…

LINKS DO MENCIONADOS NO PROGRAMA

– Semi-final Japão vs. Chile – MUNDILA JKA 2014 KUMITE EQUIPE-  Semifinal(HD)

– Kata individual masculino 1º Lugar, 2º Lugar e 3º Lugar.

NOSSOS LINKS –

– Pinto karate dojo no Twitter = http://migre.me/8YDpu

– Pagina do Facebook = http://migre.me/8YDqs

– Canal do Videocast no Youtube = http://migre.me/8YDrP

– Canal do minuto Karate = http://migre.me/8YDuD

Mande suas críticas e sugestões para nosso video cast — contato@pintokaratedojo.com 

Gostou? Então clica nesses botões aqui em baixo!

BASTIDORES DO MUNDIAL JKA 2014 – 1º Parte.

Seleção Brasileira JKA

Seleção Brasileira JKA no 13º Gichin Funakoshi Cup

E lá se foi mais um Gichin Funakoshi Cup, o Mundial da JKA, e fizemos o possível para trazer boa parte do que rolou nesse evento que teve sua edição de 2014 na meca das artes marciais japonesas, o Nippon Budokan.

Antes dos resultados, vamos falar um pouco da estrutura do evento. Na minha opinião foi semi-impecável, não fosse pelos pequenos problemas que já falamos aqui, tal como uma transmissão oficial ao vivo do evento que poderia ter sido feita pela própria JKA e exibida em seu site, que alias foi remodelado. Mas na segunda-feira seguinte ao evento, os vídeos das finais já estavam disponibilizados no youtube, pela própria JKA, e com qualidade impecável. Bem melhor que a nossa…
Outro problema foi a estrutura para os atletas no requisito refeição! A maioria das delegações estavam hospedadas bem próximas ao Budokan, facilitando muito o acesso que era feito a pé, com caminhadas que não passavam mais do que 15 minutos. Mas faltou como sempre, um bom lugar para almoçar. Muita gente, inclusive atletas, tiveram que se render aos MacDonald, pequenos Lamen Ya ( restaurantes de lámem), ou aquela velha cantina na entrada principal do ginásio. Paguei $10 dólares por 2 sanduiches e $1,60 por uma garrafa de chá de 500 ml, que normalmente custa $1,00.

Nosso vice campeão juvenil

Bernardo – Nosso vice campeão juvenil

Mas vamos à competição. O Brasil, apesar de ter feito bonito em muitas categorias, levou apenas uma medalha de prata no mundial juvenil que ocorreu na sexta (17). Bernardo Torres, da academia M.A Fighter Karate Top Team, ficou em segundo lugar no kumite 14 anos. Ainda no Juvenil tivemos a Cristiane Babinski, que ficou entre as 16 melhores no Kata e kumite, tendo sido eliminada pelas japonesas. Ainda tivemos o Rodon Caiado, do Dojo Kanashiro, que ficou entre os 8 melhores na categoria 12 anos. Tendo sido eliminado pelo japonês que se sagrou campeão.

EQUIPE UNIDA

EQUIPE UNIDA!

 No Mundial adulto, o Brasil mostrou garra e porrada, especialmente no kumite equipe masculino e feminino. Os nossos vice-campeões começaram impondo um 4×1 em cima da Noroega. Esse placar foi inaugurado por um belo ippon de kizame tsuki de Jayme Sandall, ainda tivemos belas lutas com Diego, Cabral, Fabio Simões e Rafael. Infelizmente o resultado não foi repetido na segunda disputa.

A Inglaterra não parecia ser um adversário à altura, mesmo tendo Richard Heselton, um dos técnicos do time de karate da Takudai, mas acabou surpreendendo o Brasil. Na minha opinião, somente 2 dos 5 atletas da Inglaterra ofereciam perigo, mas o que faltou em técnica, sobrou em estratégia. A Inglaterra atrapalhou a maioria do jogo de nossos atletas. O Brasil mostrou superioridade em karate, com as lutas de Cabral, que levou o Richard ao chão duas vezes, e com a tranqüilidade de Fábio Simões, que aplicou excelentes porradas com o seu ” jeito Go No Sen” de ser. Da arquibancada, dava pra escutar os gyaku tsuki explodindo no adversário do Fabinho.
Mas poucos golpes foram encaixados como pontos, e fomos eliminados pelo time da rainha por 2×1.

Manuela Spessatto - 5º melhor kata do mundo / JKA

Manuela Spessatto – 5º melhor kata do mundo / JKA

No Kumite equipe feminino, Manuela, Cristiane e Hanna, passaram por duas rodadas na eliminatória, mas a Inglaterra mostrou ser uma pedra no nosso caminho, e acabou tirando a nossa equipe nas quartas de finais.
A karateka Manuela Spessatto ficou em quinto lugar no kata individual, sendo a única brasileira na história da JKA, a chegar entre as 8 melhores na categoria em um mundial.
Infelizmente não conseguimos conversar com ela após a final devido a correria para cobrir o evento. Mas ao fim da sua apresentação, a emoção foi demonstrada com um caloroso abraço entre atleta e técnico ( Manuela e Rafael). Aquele ato mostrava o fim de um dia de estresse e dever cumprido.

Equipes de Kata do Brasil, no Dojo de Serizawa sensei - Gotemba

Equipes de Kata do Brasil no Dojo de Serizawa sensei – Gotemba

A equipe de kata masculino, composta por Andrew Marques, Rodrigo Alves e Marcel Raimo, não se classificou, o que foi uma pena, pois os meninos fizeram o seu melhor desde que colocaram os pés no Japão. O treinamento pelo qual as equipes de kata masculino quanto feminino passaram, foi digno de uma seleção nacional. Todos estão de parabéns!
Falando em treino, eu tenho algo para reclamar ( CLARO!), mas  irei dar mais detalhes no próximo Karate Kast desta semana.
Na noite de sexta (17), a seleção brasileira “ganhou um presente” da direção, uma visita/treino ao clube de karate da Universidade Kokushikan, um dos mais famosos clubes de karate do Japão. Foram 40 karateka faixas-preta, esperando de braços abertos nossa seleção. No treinamento era enfatizando o tempo de entrada, mas sem contato, já que dentro de ALGUMAS HORAS, nossos karateka iriam disputar um Mundial QUE ACONTECE A CADA DOIS ANOS!
Mesmo com nenhum contato, o treino foi intenso, sendo conduzido por Yamamoto sensei, um dos técnico da seleção japonesa de karate da JKF, e por Wagner Pereira, técnico da equipe de Kumite do Brasil. Não é preciso dizer a felicidade de Wagner sensei, mas isso também iremos falar no próximo programa.

Treino especial com o time de Karate da Univ. Kokushikan horas antes do Mundial...

Treino especial na Univ. Kokushikan horas antes do Mundial…

Acredito que um treino deste gabarito, em um dojo famoso e sendo conduzido por uma das lendas do karate da JKA , foi proveitoso  mas ao mesmo tempo cansativo para atletas, que iria competir em um evento importantíssimo dentro de algumas horas. Tempo insuficiente para a recuperação, lembrando que a seleção já estava há uma semana passando por treinamento forte na Cidade de Gotemba, sob a supervisão de Serizawa sensei.
Mesmo alguns atletas tendo o costume de treinar diariamente, acredito que um descanso de alguns dias antes do evento poderia ser mais proveitoso à nossa seleção.
Pelos corredores do Nippon Budokan, o boato era de que a equipe japonesa estava há 2 semanas descansando para mundial…
Mas nossa seleção brasileira é composta não só por atletas, mas também por karateka com coração de guerreiros, e se mantiveram firmes até o fim.

Diego e "Andrezão"- Univ.  Kokushikan

Diego e “Andrezão”- Univ. Kokushikan

Nosso seleção conseguiu apenas uma medalha, mas com certeza estão levando uma experiência inesquecível que pode mudar não só a vida deles , como também o futuro do karate JKA do Brasil, assim espero.
O contado com a cultura japonesa, os dias de treino e uma participação em um Mundial no berço de nossa arte, é algo impactante para qualquer karateka. Falo isso baseado na minha experiência adquirida nesses quase 10 anos que moro aqui.
PARABÉNS À TODOS E TORÇO PARA QUE USEM ISSO DA MELHOR FORMA POSSÍVEL!

Por fim, a competição foi um show  da equipe Japonesa, com alguns lances duvidosos por parte da arbitragem, coisa costumeira. Quem acompanhou o mundial através da nossa transmissão, com certeza notou alguns erros, mas enquanto houver as regras subjetivas dos competições de semi contato, a margem de erros será grande. Mas isso é uma outra história…
No site oficial da JKA Japão, você pode ver o resultado geral do mundial juvenil e adulto. E aqui iremos deixar o resultado parcial.
Obrigado a todos que acompanharam toda nossa aventura na cobertura desse evento, e não se engane, ainda teremos mais material sobre esse assunto com entrevistas exclusivas e muito mais conversa sobre o que aconteceu lá.
Uma abraço e até a próxima. Oss!IMG_6358

TRANSMISSÃO- MUNDIAL DE KARATE JKA 2014


Broadcast live streaming video on Ustream

%d blogueiros gostam disto: