POLÊMICA – “Kata do bêbado”?

Nos últimos dias dentro de um grupo de Whatsapp o karateka Alexandre Vieira Andrade, um dos líderes do Movimento Karate City que é um movimento para divulgar o Karate na cidade de São Paulo e em outras cidades do Brasil, fez uma pergunta aos participantes do grupo se os mesmos conheciam, segundo ele, o “Kata do bêbado”.
Alexandre logo depois escreveu que esse kata existia no Karate e continuou com a infeliz afirmação dizendo que o “Kata do bêbado” se vê bastante no Para Karate.

WhatsApp Image 2020-05-13 at 18.20.01
Imagem retirada do grupo

Devido ao acontecimento, a FPK (Federação Paulista de Karate) divulgou uma nota lamentando o infeliz episódio. A nota pode ser lida abaixo:

“DEPARTAMENTO PcD da FEDERAÇÃO PAULISTA DE KARATE, representada pelo Coordenador Geral do Departamento PcD Sr. Oscar Garcia Braga Neto, fazendo uso de minhas atribuições conferidas no REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO PcD e Portaria 004/2019 expedida pela FPK, faço questão de externar repúdio e indignação quanto as afirmações em um grupo de Whatsapp adotadas pelo Sr. Alexandre Vieira Andrade “um dos líderes do Movimento Karate City que é um movimento para divulgar o karate em treinos itinerantes na cidade de São Paulo e em outros estados e cidades do Brasil” discriminando “todos” que fazem parte da categoria do Para karate do Brasil e do Mundo, pois generalizou todos as pessoas especiais e que possuem deficiência. Repudiamos ainda, a posição e entendimento adotado pelo Sr Alexandre Vieira Andrade, o qual afronta todos os princípios basilares da CLK – Consolidação das Leis do Karate averbada pelo MEC que deve ser seguida por todos os desportistas de karate no Brasil no Mundo o qual foi averbada pelo Estatuto da FPK e pela CBK afrontando também todos os princípios seguidos pelos praticantes de artes marciais do Brasil, bem como ainda, afrontou o que dispõe a Constituição Federal da República Federativa do Brasil, em seus artigos 3º, IV; 5º “caput”, XLI; e 227 “caput”, bem como, a Lei Federal 13.146/2015 – que instituiu a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, e que prevê crime previsto no artigo 88 e seus parágrafos, para quem praticar discriminação contra qualquer pessoa com deficiência além possibilidade de requerer indenização civil perante a Justiça nos termos dos artigos 186, 187, 927 do Código Civil de 2002 combinado com o artigo 140 do Código Penal. De maneira nenhuma podemos aceitar esse tipo de afirmação nem por brincadeira pois é uma discriminação e ofensa, com o intuito vexatório, “zombeteiro”, “chacota” e “humilhação” sendo lamentável tal posicionamento o qual também não deve ser seguido por qualquer pessoa, tudo conforme consta dos ensinamento do BUDO e seu DOJO KUN (de qualquer estilo de karate) o qual será passível de procedimento judicial. Como Para atleta e pertencente a essa categoria me senti ofendido e irei me manifestar em grupos e redes sociais, jornais e a todos os meios de comunicação com base nesta nota de repúdio, pois se seu me calar a isso, quer dizer que sou conivente e que concordo com tal afirmação. E deixar registrada nossa profunda lamentação e tristeza com os fatos noticiados e principalmente, deixar claro, a busca constante da nossa entidade e o trabalho de toda comunidade em prol da modalidade do Para Karate para o desenvolvimento de um ambiente familiar, saudável e transparente. A Departamento PcD deixa claro que toma todas as precauções possíveis para assegurar a idoneidade moral dos profissionais que representam nossa modalidade e de seus alunos e que estará ainda mais atenta a conduta de todos federados ou não que tentarem denegrir modalidades reconhecidas nacionalmente, zelando da melhor forma possível pelos nossos associados, pais e filhos especiais, que confiam no trabalho que realizamos e acreditam no Para Karate como um caminho melhor para seus filhos (as). Fato como o noticiado fere nossa entidade, nossa modalidade e toda a comunidade de atletas, treinadores, dirigentes e pais que trabalham pelo desenvolvimento do Para Karate não só como esporte, mas como uma filosofia de vida.
O Departamento Pcd FPK reassume o compromisso de trabalhar de forma mais forte e rígida com a ajuda da nossa comunidade para manter as reais convicções do Karate-Do e deixar claro que um acontecimento isolado, individual não pode e não irá manchar um trabalho sério de pessoas honestas e dedicadas à modalidade.

José Carlos Gomes de Oliveira
Presidente FPK”

A categoria Para Karate lutou durante anos contra várias discriminações e um episódio desses é completamente lamentável. A equipe do site Pinto Karate Dojo repudia o triste episódio e reforçamos nosso apoio e admiração aos para karatekas de todo o mundo!

Ossu!

APOIE O NOSSO SITE!
apoiase-e1582460567163

 

8 comentários sobre “POLÊMICA – “Kata do bêbado”?

  1. A isto eu chamo alimentar e dar importância a quem não a têm…ao mesmo que se cria um filme que poderiamos chamar de ” Tempestade num copo de água”.
    MAE

    Curtir

    1. Eu acho lamentável que exista pessoas desse tipo,na minha opinião e que este CARA seja expulso de participar de qualquer competição ou seja de tudo que for referente ao karatê, pois não quero falar tudo o que eu tenho vontade mais a minha opinião e que ele seja banido do Karatê

      Curtir

  2. A melhor resposta é treinar mais e ficar cada vez melhor, para calar a boca de gente como esse cara aí. É isso o que eu vou fazer.

    Curtir

  3. Infelizmente pessoas como essa que atrapalham o crescimento do Karate , lamentável comentário acima , ninguém é dono da razão… mais se colocar no lugar do próximo é essencial no mundo em que vivemos hoje !!!
    Ossu …!!!!

    Curtir

  4. NOTA SOBRE DECLARAÇÃO DO DEPARTAMENTO DO PARAKARATE DA FPK

    Eu, Alexandre Vieira Andrade, humildemente lamento e peço desculpas pelo ocorrido que houve entre o coordenador do Parakarate e minha pessoa, pois em momento algum, por eu ser karateca, e saber que o Karatê, assim como o Parakaratê, que é uma instituição respeitosa e apoiada por mim, tanto que, na administração do Movimento Karatecity, promovemos a inclusão social, como o projeto paralelo Correntes do Bem que visa arrecadação de mantimentos, doação de sangue, aulas em projetos sociais e inclusive um projeto que auxilia pessoas com deficiência recolhendo lacres de latas de refrigerante em troca de cadeiras de rodas.
    A questão, em um primeiro momento, tratava-se de debates de opiniões entre os envolvidos do grupo e que, por um entendimento equivocado das partes e pelo ânimo exaltado na discussão das ideias, foi proferida a sobredita frase. Em nenhum momento tive a intenção em ofender a quem que fosse ou ao Parakaratê, porque tratava-se de mero debate que, já era, comum no grupo, frisando que não compactuo com qualquer tipo de preconceito ou ofensas ao próximo, tratando-se de uma mera frase mal colocada dentro daquele conceito que estava sendo discutido e que levou a tais proporções pelo mau entendimento do dito.
    No entanto, publicamente, peço desculpas pelo transtorno causado e pelo entendimento equivocado do alegado, pois o nome do Movimento Karate City e meu está circulando pelas redes sociais e outras plataformas de comunicação.

    Alexandre Vieira Andrade
    14/05/2020

    Curtir

Deixe sua opinião por favor. Oss!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s