MINHA EXPERIÊNCIA COM O KOBUDO – Ana Yamaoka

 

WhatsApp Image 2019-11-05 at 11.27.54 (1)

No dia 03 de Novembro houve o Seminário Internacional de Karate e Kobudo Jinbukai, ministrado por sensei Hitoshi Kanei (Okinawa, Japão), filho do fundador da Jinbukai, Mestre Katsuyoshi Kanei, pela primeira vez no Brasil.

O seminário foi realizado pela Okinawa Shorinryu Karate Do Jyureikan e Kobudo Jinbukai do Brasil, presidida pelo sensei Flávio Vicente.

Eu e meu sensei José Castro do Centro Karatê Shotokan Caraguatatuba, fomos convidados pela Rádio Karate, Pinto Karatê Dojo, para participar desse seminário e contarmos um pouquinho como foi o evento.

SEMINÁRIO

José Castro sensei e Kanei sensei
José Castro sensei e Hitoshi Kanei sensei

O seminário contou com a presença do Sensei Alberto Antônio Marina, presidente da Goju-ryu Jinbukai Kobudo Argentina; Marcelo Cuadra, Jinbukai Argentina; Mirson Zambrano Maldonado, presidente da Jinbukai Chile, ligada a organização internacional Okinawa Goju Ryu Junbukai de Okinawa e Takeshi Fukushi, fundador da Associação Nikkei de Karate Do Seigokan sediada no Rio de Janeiro, que recentemente recebeu o 8ª dan da Confederação Brasileira de Karatê.

Tive a oportunidade de conhecer karateka de vários estilos, Goju-ryu, Shorinryu, Shotokan, mas como disse sensei Flávio Vicente: “karate é um só”.   Não importa qual estilo praticamos, todos somos karateka*, e foi essa minha sensação no seminário.

Cheguei no evento  cometendo “gafe”, explico, de onde venho, Shotokan, dizemos muito “OSSU”, saiba mais sobre essa expressão aqui, e ao cumprimentar os karateka  presentes eu dizia OSSU e notei que eles apenas sorriam ou diziam “onegai shimasu¹” . Daí me lembrei, quando Pinto San foi à Okinawa nos contou que eles não utilizam essa expressão.
Momento gafe superado graças ao Pinto San!

INICIO DO TREINO 

Flávio Vicente sensei
Flávio Vicente sensei – 7º Dan Shorin

Para acordar o corpo num domingo de manhã, sensei Kanei, iniciou o treino com um aquecimento, seguido por exercícios cardiorrespiratórios, na sequência fizemos exercício dois a dois, com treinos de socos, defesas e chutes.

Sensei Kanei disse sobre a importância de treinarmos com o intuito de nos superarmos, sermos um pouco melhor a cada treino, disse que o karatê é semelhante uma escada rolante, se ficarmos parados nosso karatê fica ruim, fraco, mas se subirmos uma escada rolante que está descendo nosso karatê fica bom, forte.

Assim o karate só depende de a gente treinar, nossa mente, nosso corpo, ao contrário do kobudo, sensei Kanei disse que para treinar kobudo precisamos nos tornar um só com a arma, e com seu jeito simpático acrescentou que devemos dormir com a arma, beijar a arma, o que provocou risos entre os presentes.

Durante o treino com o bo, sensei Kanei, nos ensinou a importância de treinar com os dois lados do corpo, visando um desenvolvimento amplo das técnicas.

Eu nunca havia treinado com bo (bastão), durante a execução do kata não sabia se me preocupava em tentar segurar o bo ou tomar cuidado para não acertar ninguém. Já com a tonfa me senti mais à vontade, consegui sentir melhor a movimentação dela do que o bo.

KATA 

Após as armas sensei Kanei iniciou o treino do kata sanchin, já tinha ouvido falar desse kata respiratório e visto alguns vídeos, mas pessoalmente a energia que sentimos e emana de quem está fazendo esse kata é indescritível. Sensei Kanei nos disse sobre a importância do ibuki (respiração sonora), tanden e a contração muscular corporal em harmonia com a base sanchin dachi.

Seminario de okinawa karate e kobudo Jinbukai

Ao final do seminário assistimos apresentações de kobudo kata e bunkai com bo (bastão), kama (foice), tinbe (escudo) e eku (remo).

Na opinião de Sensei José Castro os exercício passados tiveram intensidade média alta, as técnicas de socos e chutes foram básicas, mas fortes e eficazes, sensei Kanei frisou pontos técnicos comuns a qualquer estilo, principalmente acerca do centro de gravidade.

A respeito do kobudo, sensei José Castro, disse que “enriqueceu meu karate, eu que não conhecia kobudo, poderei no futuro desenvolver essas técnicas. No kobudo não há estilo, esse é seu e você é livre para desenvolver o seu kobudo”.

Sensei Kanei é uma pessoa simpática, sorridente, extremamente acessível, ao final do seminário participei de uma conversa com outro karateka shotokan que estava tirando dúvidas com sensei Kanei a respeito do kata sanchin que tínhamos acabado de fazer, após tecer alguns comentários sensei Kanei acrescentou “seu karate não está errado, é o seu karate”, me marcou a disposição do sensei Kanei em transmitir seus conhecimentos.

Após a entrega dos certificados e aquele momento foto que nunca pode faltar em cursos e seminários, no auge da minha graduação, 3º kyu da JKA, conclui que tenho um longo caminho a percorrer, por sorte, karatê é para toda a vida, voltei para casa com aquele gostinho de quero mais.

Quero agradecer mais uma vez ao sensei Flávio Vicente pela recepção e apoio ao site PKD e Rádio Karate.  Foi uma oportunidade única para aprender e conhecer o karate e kobudo Jinbukai.

Ossu!

Ou melhor,  Onegai Shimasu!

Ana PaulaAna Paula Yamaoka
Advogada, faixa marrom de Karate Shotokan e aluna  da C K S C – JKA Escola de Aperfeiçoamento do Karate e Defesa Pessoal de José Castro sensei.

 

___________________________________________________________________________________________

* Karateka usamos sempre no singular por se tratar de uma palavra japonesa, e como tal não se pluraliza.
1 – Onegai Shimasu ( Onegai Ximassu) = Por favor.

2 comentários sobre “MINHA EXPERIÊNCIA COM O KOBUDO – Ana Yamaoka

Deixe sua opinião por favor. Oss!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s