MICHELE CASSIA FAZ HISTÓRIA EM OKINAWA.

CASSIA

É indiscutível a qualidade do karate brasileiro dentro do cenário mundial, nosso País é um celeiro de atletas de alto nível em vários esportes, sejam eles amadores ou olímpicos apesar de todas as dificuldades.
Atletas tais como Luiz Tatsuke Watanabe, campeão mundial de 1972 numa época em que existia apenas uma entidade de karate, fez história dentro e fora do País.

Além de Douglas Brose, atleta de excelente  nível, uma celebridade que mais uma vez colocou o Brasil dentro da história do karate mundial.  Quem já teve a oportunidade de conhecer o Museu do Karate em Okinawa, já deve ter visto algumas cenas das lutas de Brose sensei no mini documentário sobre a história do karate exibido no teatro dentro do Museu.
Orgulho!

Higa sensei
Cassia sensei ao lado da lenda do Shorin Ryu Higa sensei.

E é entre essas lendas que se encaixa a nossa entrevistada de hoje.   Numa época em que as mulheres mais uma vez lutam pela igualdade dentro dessa nova sociedade, era  de se esperar que uma karateka fizesse  sua parte nessa luta.

Estamos falando de Michelle Cássia sensei.    A primeira praticante do estilo Shotokan, a apresentar o Karate de Gichin Funakoshi sensei na Ilha de Okinawa, numa competição que já é uma das mais importantes no calendário mundial da nossa arte marcial, o  1º Okinawa Karate International Tournament.

Dojoweb ferramenta de gestão

Fizemos uma entrevista com sensei Michelle sobre a sua participação neste evento.  Lembrando que Okinawa tem suas organizações próprias de karate, e que nem sempre estas estão ligadas ao karate Japonês tal como JKA, JKS, Wadokai, Wadoryu, Kyokushin entre outras.
Nosso site esteve em Okinawa no último ano cobrindo os eventos do Dia do Karate , e na ocasião descobriu que existe apenas um dojo do estilo  shotokan em toda a Ilha, e este não é ligado as associações de karate e kobudo de Okinawa, inclusive as competições.
Foi a primeira vez que um evento de karate organizado pelas associações de karate da Ilha com o apoio do governo local e federal, recebeu o Estilo Shotokan em uma competição.  E claro, nosso Brasil foi bem representado pela entrevistada de hoje.

Toda essa história começou a partir de  convite para assistir um treino e acabou se tornando uma paixão para a karateca e atleta Michelle Cássia, 3º Dan de karate tradicional, filiada a CKTB e WTKF.

Confira como foi a nossa entrevista com esta grande atleta.

PKD – Depois de quanto tempo de treino começou a participar de competições ?

Michelle – Tenho 19 anos de prática do Karate.  Iniciei no ano de 1999 e logo após 6 meses de treino já estava participando do 1º campeonato estadual, no qual consegui duas  medalhas de ouro.
Logo em seguida veio a primeira  convocação para o campeonato Brasileiro no ano de 2000 em Salvador.

PKD – Quais os seus maiores títulos  ?

Michelle

● Bi-Campeã Panamericana

● Vice-Campeã Mundial

● Hexa-campeã Brasileira

● Penta-Campeã Norte Nordeste

● 4° Lugar na Word Cup (Copa mundial que reúne os 8 melhores atletas
masculino e feminino do Karate Tradicional).

● 5°Lugar na Copa intercontinental

Para Michelle o mais difícil na vida de um atleta é a falta de apoio e patrocínio, que as vezes essa falta de incentivo acaba muitas vezes desmotivando os atletas na sua trajetória.
Mesmo com as dificuldades de arrecadar auxílio financeiro a atleta diz não deixar de correr atrás dos seus sonhos.

Mishele Cassia

Sobre a viagem para Okinawa, infelizmente a atleta subiu no pódio, acabou ficando entre as 20 de 72 atletas que  participaram da competição.
Para Michelle, só de estar em Okinawa, no berço do karate, já  um enorme prêmio.

PKD – Michelle, qual é o sentimento de ser a primeira mulher de estilo shotokan a participar de um evento deste porte ?

Michelle – Na verdade é uma mistura de sentimentos. Fico feliz em ser a primeira mulher a representar o Shotokan, tenho orgulho de ter representado o País, o meu Estado, minha cidade e também a minha entidade.
Tenho muita gratidão por todas as pessoas que me apoiaram a chegar ao evento.

A karateca brasileira  teve também a oportunidade de participar de  3 seminários com mestres renomados de Okinawa tal como  Higoanna Sensei, Higa Sensei e Sakugawa Sensei.

Michelle conta que tem planos de voltar a Okinawa para treinar os estilos tradicionais, mas o que acaba atrapalhando são os altos gastos que da viagem.  Mesmo assim ela  mostra esperança  revelando seus planos para o futuro dizendo que gostaria  de retornar  a ilha para participar da próxima  edição do torneio internacional que será realizada em 2022.

Para finalizar a nossa entrevista, pedimos a Michelle para deixar uma mensagem para você leitor que acompanhou essa entrevista.

Se você quer muito alguma coisa… corra atrás de seus sonhos.
Não deixe que ninguém atrapalhe eles. Mesmo com todos os obstáculos
que você encontrar, supere todos e conquiste suas metas.
Lembrando sempre de 4 palavras essenciais na
nossa vida: Respeito, disciplina, humildade e responsabilidade,
com isso podemos conseguir tudo que quisermos.

Ossu!”.

Quer ver mais sobre a historia de Michelle sensei?  Escute a entrevista dela na nossa rádio clicando aqui!

logoradio02 (1)

 

 

Deixe sua opinião por favor. Oss!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s