UFC 194 – As armas do karate?

Macgregor usa estratégia do PT, e finaliza José Aldo em 13 segundos...

Macgregor usa estratégia devastadora de um certo partido político, e finaliza José Aldo em 13 segundos…

Pois é, eu começo isso aqui me perguntando no que posso contribuir ( e pegar carona nessa onda, claro), para os  diversos comentários e opiniões sobre a tão esperada luta José Aldo (  esperança brasileira) e Conor ” batedor de deuses” Macgregor. E depois de assistir a gravação da luta, conclui que posso dar meu “tostão”, para contribuir com algo bom, caso você seja karateka.
Há muito tempo deixei de acompanhar o UFC, e olha que assisti aos primeiros, que só era possível caso você conseguisse uma fita VHS, nem sempre original, mas desde que a coisa ficou praticamente semanal, a vida corrida não me deixou acompanhar todas as edições. Ainda tentei me restringir às lutas de Lyoto Machida, mas mesmo assim não consegui desistir devido ao horário. Mas nada disso tenha a ver com Budo, lutar somente pela honra e todo aquele blá blá blá, que muitos hoje usam, porém viraram a madrugada para assistir Holyfield e Mike Tyson sair na porrada na década de 90. Eu adoro assistir porrada…
Essa edição do UFC deu o que falar, na verdade foi bem vendida pelo Macgregor, que irritou muitos quando disse que se Jesus entrasse no octógono com ele , certamente Cristo  perderia. Não sei de onde ele tirou que Jesus “O Pacifista”, aceitaria o tal embate. Seria mas lógico o Mac desafiar Perseu, Hércules ou outro semi-deus porradeiro, ai eu queria ver!
Mas a verdade é que com essa bravata besta, ele vendeu muito bem a luta.
O show começou ainda na pesagem como sempre, com aquelas provocações e a turma do “deixa disso” trabalhando para dar mais graça.  E no dia seguinte, depois de horas de espera, chegou a grande luta. Sinceramente não tenho muito o que falar dos 13 segundos de porrada, devido ao tempo, mas posso dizer algo como karate,e quem me conhece, sabe que eu não  sou de puxar a sardinha para o lado da nossa arte das mãos vazias.

Eu já vi esse kamae em algum lugar...

Eu já vi esse kamae em algum lugar…

Ao assistir a gravação , no primeiro momento em que vi o  Conor se posicionar em Kamae, percebi algo familiar, era a primeira vez que via ele lutando, e mesmo assim eu reconhecia aquela posição de quadril baixo, guarda afastada do tronco e uma fudoudachi de luta que explorava bem a envergadura do atleta bravateiro. Eu pensei “karate?”, mas me contive, achando que estava vendo coisas e deixando meu lado karateka falar mais alto. E foi ai que um chute fumikomi, disferido na altura do joelho do Aldo que mantinha a tradicional guarda de atletas de MMA, me fez concluir que o Mac tinha influencia da nossa arte. Não sabia dizer se ele era karateka ou se treinou karate para essa luta, mas era visível a arte das mãos vazias ali.
O domínio da distância não só com uma fudoudachi larga, mas também com os braços sempre medindo e afastando o Aldo e sua movimentação que por vezes se assemelhava aos atletas da WKF, evitou algumas entradas do adversário. Parecer que está longe  mas que na verdade está na sua distância de ataque, é uma característica de karateka de competições de semi-contato. E  o Macgregor usou muito bem isso, basta ver o momento em que o Aldo se frustra com seu “jab de ajuste de distância” , e sendo pego num perfeito sen no sen com  “osaeuke” e um bonito taisabaki ( ou mikiri )  seguido de um cruzado disferido pelo Mac.
Segundo algumas fontes, o Conor tem um background vindo do karate e taekwondo, não sei até onde isso é verdade, mas sei que as ferramentas que ele usou, são facilmente achadas nos atletas de karate de competições de semi-contato.
Por muito tempo o karate tem vivido numa zona de conforto, limitando-se à velha briga para se tornar esporte olímpico, ou confinado aos sombrios Dojo tradicionais lotados de crianças fazendo atividades psicomotoras com balões de festas e mortais  brincadeiras de pega-pega.

Deia de Conor

É notório que nossa arte precisa de uma nova repaginada, não tecnicamente, pois isso já vem mostrando que tem muito à oferecer, mas sim no seu   “habitar natural”.
Os eventos de MMA são com certeza a maior e melhor vitrine para uma arte marcial.  Não acredita?  Então dá uma olhada no Muay Thai , que outrora chamado de kick boxe na década de 80,  hoje possui milhares de adeptos e professores ( nem todos são de verdade), espalhados, graças ao bom do MMA.
Muitos falam sobre a possível perca da filosofia do karate caso ele entre neste cenário, mas temos um bom exemplo, como o Kyokushin, que já participa de eventos nestes moldes, e mantém sua  tradição e raíz. O que muitos karateka esquecem é que o alvo seria os praticantes das chamadas ” academias de MMA”, que em muitos casos são pessoas comuns, querendo apenas um cano de escape para descarregar o estresse diário.  Essas pessoas são diariamente minadas com  o UFC e seus similares, tanto pela mídia tradicional como pela própria internet.  Não devemos nos focar nos atletas profissionais, mas sim nos mortais que procuram uma atividade deste tipo, e graças à enorme vitrine que são esses eventos, lotam as academia de MT, BJJ e outras coisas estranhas que tem por ai.
Devemos lembrar que sensei precisa viver de forma digna e pagar as contas no fim do mês, e que todo esse pseudo tradicionalismo, que muitas vezes é maior do que os do próprios japoneses, é nocivo para a sobrevivência de muitos dojo.
Achar que um evento que acontece a cada 4 anos e que muitas vezes não tem o alcance merecido, irá reerguer o nome do karate em um mundo onde praticamente todo fim de semana tem porrada nos canais de TV pagos, é na minha opinião ingenuidade da nossa parte.
UFC- 194


Vários karateka estão dando duro nessa nova fase das AM, no passado tivemos nomes consagrados do MMA nacional, como Paulo Afonso sensei, um monstro da sua época, mas que graças ao tradicionalismo exacerbado, não teve o reconhecimento merecido, o homem que serviu de inspiração ao nosso campeão Lyoto Machida.
Acho que estamos deixando passar uma excelente oportunidade, pense bem, se uma arte cheia de ferramentas para lutar, e com uma disciplina mental como o karate, está caindo no esquecimento ou ridicularizada numa época em que muitos leigos que nunca socaram na vida, sabe o nome de atletas como Aldo, Macgregor,  Lyoto Machida, entre outros, há alguma coisa de muito errada ai!
Acredito que depois dessa ultima luta, o José Aldo irá procurar aprender um pouco sobre esse lance de “mikiri, maae, deai, taisabaki ” e etc. E se não o fizer, deveria…
Ossu!

Sobre Pinto San

Estudante de karate há quase 20 anos, amante da cultura japonesa desde os 8 anos de idade e viciado em lámem. Casado com Priscilla Pinto ( filha de japonês), decidimos vir para o Japão pra levantar uma grana trabalhando nas terríveis fábricas japonesas, e treinar muito karate. Treino em um pequeno Dojo no interior do Japão, mas todos os anos em embarco em aventuras pelo país/ilha, procurando os melhores dojo de shotokan para aprender mais karate. Meu objetivo é simples, ser o melhor karateka do mundo! Claro que isso é impossível, mas no fim das contas o mais importante mesmo é a jornada.

Publicado em 14/12/2015, em Nossos Colunistas, Pinto San e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 19 Comentários.

  1. Então, ele não é DO karate, na verdade ele fazia boxe como um bom irlandês e começou a treinar grappling com o Tom Egan, aí acabou apaixonando por MMA. E nessa vibe ele treinou karate, taekwondo, capoeira e é marrom de BJJ. É um lutador inteligente e versátil, sabe aproveitar o que há de bom nos estilos que curte.

    Curtido por 1 pessoa

    • Não coloquei muita fé nessa de que ele é karateka, não encontrei fontes confiáveis. Mas o cara é inteligente, não deve ter treinado a fundo o karate, e mesmo assim assimilou coisas úteis. É a diferença entre o profissional e o amador…

      Curtir

  2. Você escreveu algo simples que realmente nos faz refletir. Muitos dos meus amigos karatecas, na verdade a maioria deles não conhecem alguns nomes importantes dentro do karate, porem conhecem os lutadores do UFC.

    Curtir

  3. Muito bom seus comentários e avaliações mestres.
    Quanto ao fato de o Karatê adentrar mais no MMA, penso totalmente dessa forma, pois, se fosse mais jovem, tentaria seguir os passos de Paulo Afonso e de Lyoto Machida, para dignificar nossa arte marcial e demonstrar mais uma vez, sua eficácia, forte, inteligência e capacidade de lutar e vencer nas mais adversas situações.
    Parabéns pela postagem.
    Oss!!!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Silvio Menezes

    Oss!
    Penso que realmente o MMA poderia alavancar o nome do Karate, motivando muitas pessoas a praticá-lo!
    Parabéns pelo artigo, Pinto San!

    Silvio Menezes
    Praia do Cassino
    Rio Grande – RS.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Show de comentário.
    Eu ainda diria que o Aldo fez a aproximação no tempo errado. E por isso ficou vendido.
    Se uso o nosso KARATE, só ele vai poder dizer, mas que treinamos isso, é fato.
    OSS

    Curtido por 1 pessoa

  6. Luiz Henrique

    Muito legal a avaliaçao. A base usada frequentemente por McGregor não pode vir de outra arte senao o karate. Pode ser que os golpes sejam prioritariamente de outros estilos (afinal MMA), mas a base de Okinawa, esta é inconfundivel.

    Curtir

  7. Pinto San, sobre ele treinar karate, o mais próximo que ele chegou disso foi pelo Gunnar Nelson, karateca e também lutador do UFC, que treina com ele. O Conor disse em várias entrevistas que o Gunni passou vários bizus pra ele durante os treinos. Acho foda no Conor o fato dele saber aproveitar o melhor de cada arte marcial e colocar isso de forma brilhante dentro do octógono. Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

  8. Josimar Oliveira, Rio de Janeiro

    Parabéns pela matéria. Também não achei registros fidedignos de que ele seria Karateka, mas ele teve contato com a nossa Arte sim.
    Consegui o evento abaixo onde algumas pequenas coisas possam se explicar. Espero ter de alguma forma colaborar com seu excelente trabalho de difusão de nossa Arte. Ossu!

    Curtido por 1 pessoa

  9. Perfeita abordagem Daniel!
    Concordo com você em todos os pontos… O McGregor pode não ser um Karateca de raiz, mais assimilou bem diversos fundamentos trabalhados em nossa arte!
    E sobre esse papo de “tradicionalismo”, os tempos mudam, e o diferencial é você que faz, o tempo passa e se você não se adequar as mudanças, logo estará ultrapassado e falido. Vamos aguardar o futuro do nosso karatê, e que essa ideia do “budo evangélico” vá sendo moldada sem hipocrisias.!!

    oss! 😀

    Walter
    João Alfredo – PE

    Curtir

  10. pratico karate a 7 anos comecei com meu filho que tinha 6 anos hoje vai fazer 13 ele ve as lutas de mma ou ufc e diz que vai lutar mma ou ufc no caso trocação ja que não podemos interferir com algumas escolha sugeri que ele fosse campeão brasileiro e mundial de karate e depois sim mma ou ufc mas no brasil tudo e mais difícil o atleta tem que começar com 6 anos os familiares fazer de tudo para que o talento sobreviva nesta selva do homem consumista sem a ajuda dos governares do nosso pais muitos talentos param na burrocracia dos governantes do nosso pais que pode ser uma potencia mundial nos esportes em geral mas os políticos que roubam milhões , infelizmente não ve assim . o karate e precisos não erra e sai para definir quem sabe Yuri Pereira Benedito POSSA SER CAMPEÃO DO UFC COM O KARATE OSS

    Curtir

  11. Oss!
    Como professor de educação físicia e 3º dan karate JKA – concordo com o Pinto San. Temos que fazer o Karate voltar as origens, o excesso de competição tirou a credibilidade de nossa arte. A WKF organiza grandes eventos mas se limita a um karate esportivo e algumas vertentes mais tradicionais ( no ocidente) se limitam a um método educacional.
    O que discordo Pinto é sobre o que falou em crianças brincando de pega-pega ou com balões… bem na sociedade moderna que vivemos as crianças possuem deficiências motoras bem severas pois suas experiencias corporais no brincar ao ar livre são limitadas. As aulas de educação física são ridículas na maioria das escolas que não cumprem sua função de educar o corpo; aqui no Brasil a lei sugere o ensino de lutas nas escolas, mas não se aplica ficando em uma monocultura do futebol e voleibol.
    Em minhas aulas uso exercícios psicomotores e brincadeiras como forma de aquecimento ou complemento as aulas de karate, mas o foco deve ser sempre o ensino de karate.
    Isso foi comentado na UFSC mês passado no II Colóquio de Filosofia e Artes Marciais, onde tive duas participações – e em resumo chegamos à três idéias:
    a- o thélos ( objetivo final) das artes marciais é a eficiência em combate;
    b- qual o potencial pedagógico que as artes marciais oferecem aos indivíduos?
    c- qual q relação da arte marcial com a filosofia em estricto senso ?

    OSS!

    Curtir

    • Não esquenta, eu faço esse tipo de atividades com as crianças, hehe.
      O problema é que os pais ultimamente vem fazendo dojos de creche, e alguns professores se rendendo à isso. Não vejo os pais tentando fazer academias de MT de creche. Entende meu ponto?
      A idéia não é subtrair, mas sim somar.

      Curtir

  12. A maior prova da inutilidade das olimpíadas para o desenvolvimento do karatê eh o exemplo do taekwondo, que não cresce absolutamente nada no Brasil, tem a maioria absoluta de seus atletas passando dificuldades financeiras para conseguirem competir e academias vazias. Não há por que acreditar que com o karate será diferente. As artes que ainda conseguem se manter bem hoje em dia são aquelas que tem aproveitado o boom do mma, como jiu jitsu e muay thay.

    Curtir

  13. Sobre a luta, ótima análise.
    O mestre Vinicio Antony já tinha cantado a bola sobre o Mcgregor mesmo antes da luta. Bem como vc analisou.

    Sobre o Karatê hoje, é muito triste ver as academias cheia de criançada (não que seja ruim) mas que vc não consegue fazer um treino mais efetivo. Treinava numa academia que fazia treino adulto e infantil junto mas na hora de treinar shiai era separado e apesar do treino ser muito bom (tinha inclusive atleta campeão estadual e tals) mas pra quem tá passando e para pra dar uma olhada não olha com o mesmo olhar de quem para pra ver um treino de Muay thai. E como dito por Pinto San, os pais usam as academias de karatê como creche, pq não aguentam os filhos em casa ou pq querem o filho fazendo uma recreação, não veem o karatê como uma arte marcial onde o filho vai aprender defesa pessoal. Veja as academias de Muay Thai…os pais não manda pra lá pra fazer recreação. Porque? Porque os mesmos tem outra visão do MT, lá eles sabem que o filho pode ter uma contusão, que o filho pode bater no coleguinha na escola. Em outras palavras eles veem a efetividade do MT como ARTE MARCIAL, o que infelizmente um monte de academias de karatê espalhadas não consegue fazer pq a imagem da arte não está boa.

    Ainda piora a imagem quando aparecem os picaretas inventando um monte de firula, que todo mundo sabe que não funciona, mas que era usado nos anos 80 para impressionar leigo.

    Apesar dos pesares ainda não podemos reclamar porque ainda temos lutadores que levam e honram o nome do karatê como o Lyoto Machida e Victor Belfort, fora atletas sem renome no UFC que representam nossa arte no TUF, no Jungle Fight, e outros, apesar de baixa exposição, posso dizer que melhor do que nada ne. E o kung fu por exemplo que não tem ainda um atleta que o represente no UFC.

    Eu ainda sonho com um dia em que as pessoas vão procurar o karatê para treinar com a mesma visão que procuram o Muay thai e o Jiu-jitsu.

    Abaixo estou postando um video do prof Vinicio Antony comentando com bastante propriedade antes da luta, os detalhes sobre a técnica do Mcgregor.

    Francis Braga
    Academia Power – Marília/SP

    Curtir

  14. Sobre a luta, ótima análise.
    O mestre Vinicio Antony já tinha cantado a bola sobre o Mcgregor mesmo antes da luta. Bem como vc analisou.

    Sobre o Karatê hoje, é muito triste ver as academias cheia de criançada (não que seja ruim) mas que vc não consegue fazer um treino mais efetivo. Treinava numa academia que fazia treino adulto e infantil junto mas na hora de treinar shiai era separado e apesar do treino ser muito bom (tinha inclusive atleta campeão estadual e tals) mas pra quem tá passando e para pra dar uma olhada não olha com o mesmo olhar de quem para pra ver um treino de Muay thai. E como dito por Pinto San, os pais usam as academias de karatê como creche, pq não aguentam os filhos em casa ou pq querem o filho fazendo uma recreação, não veem o karatê como uma arte marcial onde o filho vai aprender defesa pessoal. Veja as academias de Muay Thai…os pais não manda pra lá pra fazer recreação. Porque? Porque os mesmos tem outra visão do MT, lá eles sabem que o filho pode ter uma contusão, que o filho pode bater no coleguinha na escola. Em outras palavras eles veem a efetividade do MT como ARTE MARCIAL, o que infelizmente um monte de academias de karatê espalhadas não consegue fazer pq a imagem da arte não está boa.

    Ainda piora a imagem quando aparecem os picaretas inventando um monte de firula, que todo mundo sabe que não funciona, mas que era usado nos anos 80 para impressionar leigo.

    Apesar dos pesares ainda não podemos reclamar porque ainda temos lutadores que levam e honram o nome do karatê como o Lyoto Machida e Victor Belfort, fora atletas sem renome no UFC que representam nossa arte no TUF, no Jungle Fight, e outros, apesar de baixa exposição, posso dizer que melhor do que nada ne. E o kung fu por exemplo que não tem ainda um atleta que o represente no UFC.

    Eu ainda sonho com um dia em que as pessoas vão procurar o karatê para treinar com a mesma visão que procuram o Muay thai e o Jiu-jitsu.

    Francis Braga
    Academia Power – Marília/SP

    Curtir

  15. Só uma pequena correção… O Kickboxing e o Muay Thai (que é mais antigo), sempre foram duas lutas distintas. Não é que o Muay Thai era chamado antes de Kickboxing. Na verdade, existem muitos “professores” ensinando Kickboxing e dizendo que é Muay Thai, pela fama que o mesmo ganhou.

    Dá pra identificar estes falsos professores de Muay Thai pela nomenclatura utilizada nas aulas (algo como jab, direct, cross, up, ao invés de Kradot chok, Te trong, Mat trong e etc.).

    Tais professores nunca treinaram Muay Thai de verdade, assim como muita gente que treina, ACHA que está treinando Muay Thai.

    Quer um bom exemplo? Uma criança Tailandesa começa a calejar a canela aos 5 anos de idade. Anderson Silva quebrou a canelinha de moça com um golpe básico!

    Voltando ao foco, o Muay Thai não era antes chamado de Kickboxing. ()

    Curtir

Deixe sua opinião por favor. Oss!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: